sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Olavo Bilac


Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac nasceu no Rio de Janeiro no dia 16 de dezembro de 1865 e faleceu no Rio de Janeiro em 28 de dezembro de 1918. Foi um jornalista e poeta brasileiro, membro fundador da Academia Brasileira de Letras.

Saiba mais em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Olavo_Bilac

*************************************************************************************

"Há quem me julgue perdido,porque ando a ouvir estrelas.Só quem ama tem ouvido para ouvi-las e entende-las..."

*************************************************************************************

"Flerte é um namoro inofensivo, sem conseqüências, que não acaba nem na pretoria nem na Casa de Detenção."

*************************************************************************************

"O Amor é uma árvore ampla e rica, de frutos de ouro, e de embriaguez; infelizmente frutifica apenas uma vez."

*************************************************************************************

"A pátria não é a raça, não é o meio,
não é o conjunto dos aparelhos econômicos e políticos:
é o idioma criado ou herdado pelo povo."

*************************************************************************************

"Não és bom,nem és mau:és triste e humano...
Vives anciando,em maldições e preces,como se a arder,no coração tivesses,o tulmuto e o clamor de um largo oceano.
Pobre,no bem como no mal,padeces;e,rolando num vórtice vesano,oscilas entre a crença e o desengano,entre esperanças e desinteresses. Capaz de horrores e de ações sublimes,não ficas das virtudes satisfeito,nem te arrependes,infeliz,dos crimes: e,no perpétuo ideal que te devora,residem juntamente no teu peito um demônio que ruge e um deus que chora."

*************************************************************************************

Maldição

"Se por vinte anos, nesta furna escura,
Deixei dormir a minha maldição,
_ Hoje, velha e cansada da amargura,
Minha alma se abrirá como um vulcão.

E, em torrentes de cólera e loucura,
Sobre a tua cabeça ferverão
Vinte anos de silêncio e de tortura,
Vinte anos de agonia e solidão...

Maldita sejas pelo ideal perdido!
Pelo mal que fizeste sem querer!
Pelo amor que morreu sem ter nascido!

Pelas horas vividas sem prazer!
Pela tristeza do que eu tenho sido!
Pelo esplendor do que eu deixei de ser!"


*************************************************************************************


Deixa o Olhar do Mundo

"Deixa que o olhar do mundo enfim devasse
Teu grande amor que é teu maior segredo!
Que terias perdido, se, mais cedo,
Todo o afeto que sentes se mostrasse?
Basta de enganos!
Mostra-me sem medo
Aos homens, afrontando-os face a face:
Quero que os homens todos, quando eu passe,
Invejosos, apontem-me com o dedo.
Olha: não posso mais!
Ando tão cheio
Deste amor, que minh'alma se consome
De te exaltar aos olhos do universo...
Ouço em tudo teu nome, em tudo o leio:
E, fatigado de calar teu nome,
Quase o revelo no final de um verso."

*************************************************************************************

Delírio

"Nua, mas para o amor não cabe o pejo
Na minha a sua boca eu comprimia.
E, em frêmitos carnais, ela dizia:
– Mais abaixo, meu bem, quero o teu beijo!

Na inconsciência bruta do meu desejo
Fremente, a minha boca obedecia,
E os seus seios, tão rígidos mordia,
Fazendo-a arrepiar em doce arpejo.

Em suspiros de gozos infinitos
Disse-me ela, ainda quase em grito:
– Mais abaixo, meu bem! – num frenesi.

No seu ventre pousei a minha boca,
– Mais abaixo, meu bem! – disse ela, louca,
Moralistas, perdoai! Obedeci..."

*************************************************************************************

Remorso

Às vezes, uma dor me desespera...
Nestas ânsias e dúvidas em que ando.
Cismo e padeço, neste outono, quando
Calculo o que perdi na primavera.

Versos e amores sufoquei calando,
Sem os gozar numa explosão sincera...
Ah! Mais cem vidas! com que ardor quisera
Mais viver, mais penar e amar cantando!

Sinto o que desperdicei na juventude;
Choro, neste começo de velhice,
Mártir da hipocrisia ou da virtude,

Os beijos que não tive por tolice,
Por timidez o que sofrer não pude,
E por pudor os versos que não disse!

*************************************************************************************

3 comentários:

~PakKaramu~ disse...

Pak Karamu visiting your blog

Frases e Imagens disse...

Olá!
Estou divulgando meu outro Blog
"Espaço Mulher"
http://girlstuffmila.blogspot.com/
Espero que goste.
Bjs
Mila

Cris Hallsr disse...

adorei, bjs boa quarta.